De expectativas a memes e demissão: Relembre a conturbada relação entre Paulo Sousa e Fla

Técnico português foi demitido do Flamengo após sequência de resultados ruins no Brasileirão

Cinco meses após a sua contratação, Paulo Sousa não é mais técnico do Flamengo. O português chegou com muita expectativa, principalmente pela possibilidade de repetir o sucesso de outros compatriotas no futebol brasileiro.

Porém, a realidade foi bem diferente. O comandante não conseguiu encontrar um estilo de jogo vitorioso e teve problemas com jogadores do elenco. Para completar, a sequência de resultados ruins e a pressão da torcida foram suficientes para encerrar o trabalho precocemente.

Relembre como foi a passagem de Paulo Sousa no Flamengo e entenda porque o treinador foi demitido do clube!

Polêmicas desde a contratação

Não é segredo que a primeira opção do Flamengo era Jorge Jesus. O clube enviou uma comitiva para conversar com o treinador, então empregado no Benfica.

As tratativas tiveram cenas de novela, com a presença dos dirigentes no estádio durante uma derrota para o Porto e as críticas do clube português por conta do assédio rubro-negro a Jesus.

Sem a liberação do técnico, Paulo Sousa virou a bola da vez, mas estava empregado na Polônia, que disputaria a Repescagem da Copa. O português decidiu assumir o Flamengo e gerou um imbróglio com a federação, que não gostou da sua saída perto de uma partida decisiva.

No fim, em meio às polêmicas, ele pagou a rescisão de 400 mil euros e acertou com o Flamengo até 2023. Ou seja, mesmo o processo de contratação de Paulo Sousa já indicava que a passagem não seria das mais tranquilas.

Bom aproveitamento, mas sem resultados expressivos

Em campo, o Flamengo viveu momentos distintos. O aproveitamento de Paulo Sousa no comando pode ser considerado bom. Em 32 jogos, foram 19 vitórias, sete empates e seis derrotas, com 66,6% de aproveitamento.

Na Libertadores e Copa do Brasil, o time avançou para as oitavas de final sem grandes problemas. Ao mesmo tempo, o técnico falhou no Campeonato Carioca, em que a equipe foi dominada pelo Fluminense na final, e perdeu a Supercopa do Brasil para o Atlético-MG.

No Brasileirão, a campanha está longe de ser aceitável. Mesmo entre os favoritos ao título, o Flamengo amarga a 15ª colocação, com 12 pontos disputados. O português conseguiu apenas três vitórias em dez rodadas, abaixo do esperado.

Pressão da torcida e “fantasma” de Jorge Jesus

Os maus resultados foram o estopim para a saída do treinador, que não conseguiu montar um estilo de jogo vencedor. Porém, outros episódios também contribuíram para encerrar a sua passagem em apenas cinco meses.

Primeiro, a passagem de Jorge Jesus pelo Rio de Janeiro no Carnaval reacendeu as esperanças da torcida de vê-lo novamente no clube. Na época, a divulgação de uma “entrevista” com o treinador fez muito barulho. A ética de Jorge Jesus foi questionada, mas também aumentou a pressão sobre Paulo Sousa.

Depois, o técnico se envolveu em uma polêmica com Diego Alves. Após a vitória sobre a Universidad Católica, no dia 17 de maio, ele afirmou que não relacionou o goleiro por conta de uma lesão, mas houve um embate de versões que envolveu o dirigente Bruno Spindel. O clima ficou tenso entre técnico e jogador.

No fim, a situação foi contornada, mas o clima de Paulo Sousa no Flamengo foi se tornando insustentável. Sem o apoio da torcida, que lotou a internet de memes criticando o torcedor, foi questão de tempo para ele ser demitido.

A cúpula rubro-negra ainda suportou a pressão por algumas semanas, mas o fim estava certo. De fato, não é apenas um episódio que explica a sua queda, mas todo o contexto da sua passagem com o clube.

Dorival Júnior é solução “caseira” para o Flamengo

Após a experiência frustrada com Paulo Sousa, o Flamengo decidiu trazer um velho conhecido para comandar o clube. Dorival Júnior, que fazia um ótimo trabalho no Ceará, foi contratado para a sua terceira passagem pelo clube.

Sem muito tempo para preparar a equipe, Dorival estreou com derrota para o Internacional, fora de casa, por 3 a 1. Esse foi o terceiro revés seguido do Rubro-Negro, que está na beira da zona de rebaixamento do Brasileirão após 11 rodadas.

Na coletiva, Dorival pregou mudanças de comportamento na equipe. A sua tentativa de escalar jogadores mais experientes, como a entrada de Diego Alves no time titular, não deu certo. De fato, uma das tarefas do novo treinador será rejuvenescer e reestruturar o time.

A base supercampeã de 2019 não demonstra o mesmo desempenho e mudanças devem ser feitas. Depois de algumas tentativas com técnicos estrangeiros e brasileiros badalados, Dorival pode ser uma solução caseira para colocar o time nos eixos.

A qualidade existe no Flamengo, mas o grande desafio será retomar esse potencial dos jogadores e afastar de vez o “fantasma” de Jorge Jesus e sua temporada mágica.

Artigos Relacionados