Fim do casamento? Parceria entre Renato Gaúcho e Flamengo não cumpre as expectativas e futuro é incerto

Conquista da Libertadores virou obrigação para a insatisfeita torcida

Renato “Gaúcho” Portaluppi, 59 anos, tem história no futebol brasileiro, tanto como jogador quanto como treinador. Natural de Guaporé, interior do Rio Grande do Sul, ele é multicampeão como atleta e técnico no Grêmio e tem passagens de destaque também pelo Fluminense nas duas funções. Ele tenta fazer o mesmo pelo Flamengo, onde foi um grande jogador, mas parece não conseguir se firmar como treinador da equipe.

Depois de um início impressionante – com 10 vitórias nas 10 primeiras partidas como comandante da equipe –, o treinador começou a ser questionado por grande parte da torcida do Flamengo. Anunciado como novo técnico do Urubu no lugar de Rogério Ceni, em 10 de julho, o treinador levou o time à decisão da Copa Libertadores, que será disputada no dia 27 de novembro contra o Palmeiras, mas, ainda assim, sua permanência no cargo não está garantida.

Apesar da boa campanha na Libertadores, Renato não conseguiu repetir o feito na Copa do Brasil e no Brasileirão. No primeiro torneio o treinador foi eliminado na semifinal para o Athletico-PR, clube que fez um investimento muito inferior ao rubro-negro, de forma acachapante: 3 a 0 em pleno Maracanã. Já no Brasileiro, o clube não conseguiu acompanhar o ritmo do Atlético-MG, que se isolou na liderança e já é praticamente campeão – com 11 pontos de vantagem sobre o Fla ao fim da 30ª de 38 rodadas.

Os números do comandante não são ruins, longe disso. Em 31 partidas ele venceu 21, empatou 7 e perdeu apenas 3. O aproveitamento é superior aos 75%, mas o problema é a performance. Mesmo sofrendo com desfalques, a equipe não conseguiu render o esperado contra adversários que ocupam as últimas colocações do Brasileiro. Perdeu para o Grêmio e empatou com a Chapecoense, duas equipes que estão praticamente todo o torneio na zona de rebaixamento. Veja abaixo as partidas de Renato pelo Flamengo até o dia 10 de novembro:

Partida

Competição

Defensa y Justicia 0 x 1 Flamengo Libertadores
Bahia 0x5 Flamengo Brasileirão
Flamengo 4×1 Defensa y Justicia Libertadores
Flamengo 5×1 São Paulo Brasileirão
Flamengo 6×0 ABC Copa do Brasil
Corinthians 1×3 Flamengo Brasileirão
Flamengo 0x4 Internacional Brasileirão
Olimpia 1×4 Flamengo Libertadores
Flamengo 2×0 Sport Brasileirão
Flamengo 5×1 Olimpia Libertadores
Ceará 1×1 Flamengo Brasileirão
Grêmio 0x4 Flamengo Copa do Brasil
Santos 0x4 Flamengo Brasileirão
Palmeiras 1×3 Flamengo Brasileirão
Flamengo 2×0 Grêmio Copa do Brasil
Flamengo 0x1 Grêmio Brasileirão
Flamengo 2×0 Barcelona Libertadores
América-MG 1×1 Flamengo Brasileirão
Barcelona 0x2 Flamengo Libertadores
Flamengo 3×0 Athletico-PR Brasileirão
Bragantino 1×1 Flamengo Brasileirão
Fortaleza 0x3 Flamengo Brasileirão
Flamengo 3×1 Juventude Brasileirão
Flamengo 0x0 Cuiabá Brasileirão
Athletico-PR 2×2 Flamengo Copa do Brasil
Fluminense 3×1 Flamengo Brasileirão
Flamengo 0x3 Athletico-PR Copa do Brasil
Flamengo 1×0 Atlético-MG Brasileirão
Athletico-PR 2×2 Flamengo Brasileirão
Flamengo 2×0 Atlético-GO Brasileirão
Chapecoense 2×2 Flamengo Brasileirão

A pressão é tanta que, de acordo com o TNT Sports, Renato não deve continuar no Flamengo em 2022 mesmo que ganhe a Libertadores. As impressões do trabalho desenvolvido pelo treinador seriam ruins, tanto na parte tática, quanto nas propostas de treinamento. Isso, inclusive, já foi notado pelo elenco estrelado, acostumado a treinos de nível europeu.

Protestos da torcida e cargo posto à disposição

Ao contrário de sua passagem no Grêmio – clube em que estava anteriormente e onde é considerado o maior ídolo da torcida -, Renato não contou muito com a paciência do torcedor no clube carioca e vem sofrendo com protestos recorrentes.

Após a eliminação da Copa do Brasil para o Athletico-PR, em 27 de outubro, a torcida do Flamengo cantou o nome de Jorge Jesus, técnico português com passagem de destaque no clube entre 2019 e 2020. Embora tenha minimizado o ocorrido após a partida, Renato chegou a colocar o seu cargo à disposição da diretoria do clube carioca, que, contudo, não aceitou a saída do treinador.

Pelo Brasileirão o técnico também foi hostilizado pela arquibancada . Em 23 de outubro ele ouviu palavrões e cânticos o ironizando após revés contra o rival Fluminense. Em 8 de novembro, o ápice: após empate por 2 a 2 com a Chapecoense, clube que já está rebaixado para a segunda divisão e apenas cumpre tabela até o fim do ano, os muros do Centro de Treinamento do Flamengo foram pichados horas depois com protestos direcionados ao treinador com as frases “tnc, Renato” e “dia 27 é guerra” – fazendo alusão à final da Libertadores.

muro graffiti

A impressão que passa é que se quer ter alguma chance de continuar no clube carioca para o próximo ano, Renato terá de vencer a final da competição continental que vem pela frente, já que ele falhou nos outros torneios disputados pelo Flamengo. Ainda assim, a conquista do título da Libertadores pode não ser suficiente para salvar o cargo do treinador, já que a pressão está muito grande.

Renato Gaúcho como jogador do Flamengo

Antes de se tornar treinador do Mengão, Renato foi jogador de destaque no clube carioca. O carinho era tanto que ele já havia afirmado em várias ocasiões – inclusive quando comandava o Grêmio – que um de seus sonhos como técnico de futebol era treinar o time rubro-negro.

Como atleta ele teve quatro passagens pelo clube: entre 1987 e 1988, 1989 e 1990, em 1993 e entre 1997 e 1998. Ao contrário da pressão que vive atualmente, nessa época a torcida o idolatrava.

Renato conquistou três títulos como jogador do clube da Gávea: o Campeonato Brasileiro de 1987, a Taça Guanabara de 1988 e a Copa do Brasil de 1990. Ele foi eleito o melhor jogador do Brasileirão de 1987, ano em que formou uma dupla de ataque de sucesso com o ex-jogador Bebeto.

Artigos Relacionados