Por onde andam? Relembre promessas do futebol brasileiro que não vingaram

Jovens talentos como Keirrison, Kerlon, Lenny e Lulinha chegaram a ser cotados para a seleção, mas não deslancharam no futebol

Quando um jogador de futebol é recrutado para as categorias de base de importantes clubes, o sonho de todos eles é chegar ao profissional e apresentar um bom futebol. Chegar até aí, é até normal, mas, o difícil, é manter o bom nível.

Os confrontos entre as equipes principais, em qualquer país, têm um nível muito mais alto do que nas camadas mais baixas, como no sub-17 ou sub-20. Os jogos são mais pesados, os marcadores são mais “maldosos” e, se o atleta não se acostumar, a sua carreira não decola.

No Brasil, não é diferente. Já vimos vários jogadores parecerem craques, mas na hora da verdade, não deslancham.

Jovens talentos que não deslancharam no profissional

Existem vários tipos de jogadores que não conseguem manter o alto nível das categorias de base no profissional. Existem aqueles que chegam a jogar muito bem, até certa idade, e temos aqueles que são tratados como joias na base, mas falham logo de cara ao serem promovidos.

Mas, por que isso ocorre? Vamos ver alguns exemplos e entender caso por caso.

Keirrison

Keirrison

(Photo by Heuler Andrey/Getty Images)

Keirrison (33 anos) foi revelado pelo Coritiba, onde atuou entre 2006 e 2008. No clube paranaense, ele não foi só o artilheiro do Brasileirão de 2008 (21 gols) mas também foi o jogador que mais marcou gols naquela temporada (41).

Isso chamou a atenção do Palmeiras, que o contratou ano seguinte. No Verdão ele manteve o nível e foi um dos melhores jogadores da equipe no primeiro semestre daquele ano. Ele foi contratado pelo gigante espanhol Barcelona, após os bons jogos no clube paulista.

Desde então, porém, ele nunca mais encontrou o seu bom futebol. Seus últimos clubes foram o Londrina, em 2018, e o Palm Beach Stars, das divisões inferiores dos Estados Unidos, em 2020.

Lenny

Lenny

(Photo credit should read DANIEL GARCIA/AFP via Getty Images)

Lenny hoje tem 34 anos e, assim como Keirrison, também não joga mais futebol. Ele apareceu para o futebol entre 2005 e 2007, quando foi revelado e brilhou pelo Fluminense. Ele chegou a, inclusive, fazer parte do elenco campeão da Copa do Brasil de 2007.

Mesmo jovem, ele já convivia com lesões e já não havia dado muito certo no Braga, de Portugal, que o contratou logo após a conquista nacional do tricolor carioca. Mesmo assim, o Palmeiras acreditou no seu potencial e ele jogou no Verdão entre 2008 e 2010.

Desde então, foram várias oportunidades: como no Figueirense (2011), futebol japonês (2013), Portuguesa (2016) e futebol tailandês (2018 a 2020). Mas, devido às várias lesões em que ele conviveu durante a sua carreira, ele pendurou as chuteiras há dois anos.

Kerlon

Kerlon

Kerlon era conhecido como o “Foquinha” devido à sua habilidade de correr dando “embaixadinhas” com a sua cabeça. Foi considerado o grande craque da seleção brasileira no título Sul-Americano Sub-17 de 2005.

Foi revelado pelo Cruzeiro, onde jogou entre 2005 e 2008, e teve oportunidades em importantes clubes europeus, como na italiana Internazionale (2009) e no holandês Ajax (2010).

Infelizmente, também devido a lesões, ele abandonou o futebol em 2017, aos 29 anos, quando defendia o Spartak Trnava, da Eslováquia.

Lulinha

Lulinha

(Photo credit should read VANDERLEI ALMEIDA/AFP via Getty Images)

Lulinha foi o grande craque e artilheiro do Torneio Sul-Americano Sub-17 de 2007, com 12 gols. Ao ser promovido ao clube profissional do Corinthians, no mesmo ano, foi eleito a revelação do Campeonato Brasileiro.

Após uma boa passagem pelo Estoril, de Portugal, entre 2009 e 2010, Lulinha nunca mais foi um grande jogador. Poucos entenderam a razão de o jogador, que parecia ter um futuro brilhante, não jogar tão bem no profissional.

Hoje, aos 32 anos, ele defende as cores do Madura United, da Indonésia.

Jean Chera

Jean Chera

Jean Chera era visto como um grande craque das categorias de base do Santos, onde ele atuou entre 2005 e 2011. De acordo com vários dirigentes que trabalharam com o garoto, naquela época, o seu pai era um problema e sempre reclamava de o jogador receber pouco.

Essa foi uma razão para ele ter mudado várias vezes de clube, mesmo nas camadas mais jovens, e não ter dado certo em lugar nenhum: passou por Flamengo, Athletico-PR e Cruzeiro, entre 2011 e 2013.

No profissional, ele nunca se firmou em lugar nenhum. Foi revelado pelo Oeste, em 2014, e jogou apenas até 2017, pelo Sinop-MT. Hoje, com 27 anos, ele é jogador profissional de eSports, no game FIFA.

Artigos Relacionados